terça-feira, 14 de junho de 2011

Mais imagens de vestes (resumo do estudo nº 12)




16  Cães me cercam; uma súcia de malfeitores me rodeia; traspassaram-me as mãos e os pés.
18  Repartem entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica deitam sortes. Sal 22:16, 18

Conhecer: O significado associado às roupas nas diversas situações em que Jesus esteve envolvido.
Sentir: Identificar-se com o contexto emocional em que essas histórias tiveram lugar e como essas emoções destacam o ser humano e também divino, a natureza de Cristo.
Fazer: Seguir o exemplo de serviço humilde e desinteressado de Cristo.

Esboço
I. Vestimentas da humanidade
A. O que trouxe cura à mulher que tocou as vestes de Jesus?
B. Que mensagem indesejada o sumo sacerdote transmitiu quando rasgou as roupas depois de interrogar Jesus?

II. Homem e Salvador
A. Não podemos sentir o poder da cura saindo de nós, mas que emoções com que podemos nos identificar Cristo revelou quando curou a mulher com hemorragia?
B. Como Jesus deve ter Se sentido quando estava vestido como um servo? E quando foi colocado sobre Ele um manto real e foi ridicularizado? Quando foi pendurado nu na cruz?

III. Ter a humildade de Cristo
A. Como podemos imitar o exemplo de serviço humilde e sacrifício de Cristo?
B. Existem momentos em que somos ridicularizados? Como devemos reagir?

Resumo: 
Cristo, como ser humano, usava roupas. A falta de roupas indica status inferior, ou a humilhação a que ele Se submeteu em nosso favor. Embora fosse nosso Criador e Rei do Universo, Ele suportou humildemente o escárnio e os insultos do sumo sacerdote e dos soldados pagãos.

Embora muitas vezes sejamos rápidos a julgar pelas aparências, as histórias de Jesus nos desafiam a ver o mundo de modo diferente. Elas nos desafiam a ver Deus agindo de maneiras que não poderíamos esperar, mas nas quais Ele está no controle, como é demonstrado pela profecia bíblica.

Muitas vezes, julgamos as pessoas pela apresentação pessoal. Talvez possamos dizer algumas coisas sobre as pessoas e o que elas fazem, mas precisamos ser cuidadosos em julgar o valor e o coração dos outros pela aparência exterior.

Para explorar esse conceito, procure diversas fotos de pessoas, talvez de revistas ou jornais, e mostre-as aos membros da classe, pedindo que as julguem. Se possível, inclua fotos que levem os alunos a falsas suposições e, em seguida, conte-lhes a verdadeira história por trás de cada foto.

Ao considerar os grandes personagens na Bíblia nas histórias do estudo desta semana, faça as seguintes perguntas: Como os teríamos julgado se fôssemos avaliar pela sua roupa? Como as teríamos apreciado?

Como teríamos considerado a mulher que tocou Jesus e o próprio Jesus ao lavar os pés dos discípulos, em comparação com os sacerdotes e soldados, que tinham a aparência de poder e prestígio? Deus não julga pela aparência exterior; ao contrário, Ele olha o coração. Com nossa visão espiritual iluminada pelo óleo da graça, devemos fazer o mesmo.

Atividade de abertura: 
Mostre fotos de pessoas vestidas de várias maneiras, e peça que os alunos as descrevam de acordo com seu vestuário. Dê tempo para a discussão e conte as histórias por trás das fotos. Conduza a uma discussão sobre o que se pode e dizer e o que não se pode sobre as pessoas a partir de sua aparência. Agora, considere da mesma maneira as pessoas nas histórias incluídas no estudo da Bíblia desta semana. As aparências enganam, e precisamos ter cuidado para não perder de vista Deus e Sua obra devido à forma pela qual nosso mundo nos ensina a julgar pelas aparências.

Compreensão
O estudo bíblico desta semana apresenta cinco instantâneos da vida de Jesus. Se a classe for maior, divida os alunos em cinco grupos e atribua a cada grupo uma das histórias para explorar, imaginando como os personagens que vivenciaram e testemunharam essas cenas teriam reagido e sentido naquele momento. Peça que os subgrupos relatem suas respostas às perguntas abaixo. Para classes menores, escolha uma ou duas dessas histórias para se concentrar.

Tenha cópias de O Desejado de Todas as Nações para uso pelos membros da classe.

Comentário Bíblico 

I- O toque de fé

24  Jesus foi com ele. Grande multidão o seguia, comprimindo-o.
25  Aconteceu que certa mulher, que, havia doze anos, vinha sofrendo de uma hemorragia
26  e muito padecera à mão de vários médicos, tendo despendido tudo quanto possuía, sem, contudo, nada aproveitar, antes, pelo contrário, indo a pior,
27  tendo ouvido a fama de Jesus, vindo por trás dele, por entre a multidão, tocou-lhe a veste.
28  Porque, dizia: Se eu apenas lhe tocar as vestes, ficarei curada.
29  E logo se lhe estancou a hemorragia, e sentiu no corpo estar curada do seu flagelo.
30  Jesus, reconhecendo imediatamente que dele saíra poder, virando-se no meio da multidão, perguntou: Quem me tocou nas vestes?
31  Responderam-lhe seus discípulos: Vês que a multidão te aperta e dizes: Quem me tocou?
32  Ele, porém, olhava ao redor para ver quem fizera isto.
33  Então, a mulher, atemorizada e tremendo, cônscia do que nela se operara, veio, prostrou-se diante dele e declarou-lhe toda a verdade.
34  E ele lhe disse: Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz e fica livre do teu mal. Mar 5:24-34 

43  Certa mulher que, havia doze anos, vinha sofrendo de uma hemorragia, e a quem ninguém tinha podido curar e que gastara com os médicos todos os seus haveres,
44  veio por trás dele e lhe tocou na orla da veste, e logo se lhe estancou a hemorragia.
45  Mas Jesus disse: Quem me tocou? Como todos negassem, Pedro com seus companheiros disse: Mestre, as multidões te apertam e te oprimem e dizes: Quem me tocou?.
46  Contudo, Jesus insistiu: Alguém me tocou, porque senti que de mim saiu poder.
47  Vendo a mulher que não podia ocultar-se, aproximou-se trêmula e, prostrando-se diante dele, declarou, à vista de todo o povo, a causa por que lhe havia tocado e como imediatamente fora curada.
48  Então, lhe disse: Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz. Lucas 8:43-48 

Veja também O Desejado de Todas as Nações, capítulo 36, “O Toque da Fé”, p. 342-348).

Pense nisto: 
Escolha um personagem dessa história e imagine como ele(a) se sentiu nessa situação.
– Havia poder de cura nas roupas de Jesus? Por que era importante para a mulher tocar na orla das vestes de Jesus?
– Por que Jesus não deixou que ela desaparecesse novamente entre a multidão depois de ter sido curada?
– Que aprendemos sobre Jesus a partir dessa história?

II. Ele lavou os pés

1 Ora, antes da Festa da Páscoa, sabendo Jesus que era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim.
2  Durante a ceia, tendo já o diabo posto no coração de Judas Iscariotes, filho de Simão, que traísse a Jesus,
3  sabendo este que o Pai tudo confiara às suas mãos, e que ele viera de Deus, e voltava para Deus,
4  levantou-se da ceia, tirou a vestimenta de cima e, tomando uma toalha, cingiu-se com ela.
5  Depois, deitou água na bacia e passou a lavar os pés aos discípulos e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido.
6  Aproximou-se, pois, de Simão Pedro, e este lhe disse: Senhor, tu me lavas os pés a mim?
7  Respondeu-lhe Jesus: O que eu faço não o sabes agora; compreendê-lo-ás depois.
8  Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu não te lavar, não tens parte comigo.
9  Então, Pedro lhe pediu: Senhor, não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça.
10  Declarou-lhe Jesus: Quem já se banhou não necessita de lavar senão os pés; quanto ao mais, está todo limpo. Ora, vós estais limpos, mas não todos.
11  Pois ele sabia quem era o traidor. Foi por isso que disse: Nem todos estais limpos.
12  Depois de lhes ter lavado os pés, tomou as vestes e, voltando à mesa, perguntou-lhes: Compreendeis o que vos fiz?
13  Vós me chamais o Mestre e o Senhor e dizeis bem; porque eu o sou.
14  Ora, se eu, sendo o Senhor e o Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros.
15  Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.
16  Em verdade, em verdade vos digo que o servo não é maior do que seu senhor, nem o enviado, maior do que aquele que o enviou. João 13:1-16

Veja também O Desejado de Todas as Nações, capítulo 71, “Servo dos servos”, p. 642-651).

Pense nisto: 
Escolha um personagem dessa história e imagine como ele(a) se sentiu nessa situação.
– Que significa o fato de Jesus ter amado Seus discípulos “até o fim” ao lhes lavar os pés (Jo 13:1)?
– Por que é importante que o povo de Deus siga o exemplo de Jesus, lavando os pés uns dos outros? Que ações e serviços o ato de lavar os pés também pode simbolizar? Como essa história nos ensina a servir aos outros?
– Que aprendemos sobre Jesus a partir dessa história?

III. Rasgando as vestes do sumo sacerdote

59  Ora, os principais sacerdotes e todo o Sinédrio procuravam algum testemunho falso contra Jesus, a fim de o condenarem à morte.
60  E não acharam, apesar de se terem apresentado muitas testemunhas falsas. Mas, afinal, compareceram duas, afirmando:
61  Este disse: Posso destruir o santuário de Deus e reedificá-lo em três dias.
62  E, levantando-se o sumo sacerdote, perguntou a Jesus: Nada respondes ao que estes depõem contra ti?
63  Jesus, porém, guardou silêncio. E o sumo sacerdote lhe disse: Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus.
64  Respondeu-lhe Jesus: Tu o disseste; entretanto, eu vos declaro que, desde agora, vereis o Filho do Homem assentado à direita do Todo-Poderoso e vindo sobre as nuvens do céu.
65  Então, o sumo sacerdote rasgou as suas vestes, dizendo: Blasfemou! Que necessidade mais temos de testemunhas? Eis que ouvistes agora a blasfêmia!
66  Que vos parece? Responderam eles: É réu de morte.
67  Então, uns cuspiram-lhe no rosto e lhe davam murros, e outros o esbofeteavam, dizendo:
68  Profetiza-nos, ó Cristo, quem é que te bateu!  Mt 26:59-68

Veja também O Desejado de Todas as Nações, cap. 75, “Diante de Anás e o Tribunal de Caifás”, p. 698-715).

Pense nisto:
Escolha um personagem dessa história e imagine como ele(a) se sentiu nessa situação.
– Por que Jesus tinha um relacionamento tão difícil com os líderes religiosos?
– A apresentação de Jesus a esse julgamento simulado significa que devemos estar sempre em silêncio, quando confrontados com a injustiça? Explique.
– Que aprendemos sobre Jesus a partir dessa história?

IV. Zombando do Rei

Logo a seguir, os soldados do governador, levando Jesus para o pretório, reuniram em torno dEle toda a coorte. Despojando-O das vestes, cobriram-nO com um manto escarlate; tecendo uma coroa de espinho, puseram-lha na cabeça e, na mão direita, um caniço; e, ajoelhando-se diante dEle, o escarneciam, dizendo: Salve, rei dos judeus!” (Mt 27:27-29).

17  Vestiram-no de púrpura e, tecendo uma coroa de espinhos, lha puseram na cabeça.
18  E o saudavam, dizendo: Salve, rei dos judeus!
19  Davam-lhe na cabeça com um caniço, cuspiam nele e, pondo-se de joelhos, o adoravam.
20  Depois de o terem escarnecido, despiram-lhe a púrpura e o vestiram com as suas próprias vestes. Então, conduziram Jesus para fora, com o fim de o crucificarem. Mc 15:17-20

Veja também O Desejado de Todas as Nações, cap. 77, “Na Sala de Julgamento de Pilatos”, p. 723-740, particularmente as p. 733, 734).

Pense nisto: 
Escolha um personagem dessa história e imagine como ele(a) se sentiu nessa situação.
– Que simbolizam os diferentes itens com que Jesus estava vestido?
– Por que os soldados estavam tão preocupados em humilhar Jesus?
– Que aprendemos sobre Jesus a partir dessa história?

V. Jogando dados por Suas roupas

23  Os soldados, pois, quando crucificaram Jesus, tomaram-lhe as vestes e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte; e pegaram também a túnica. A túnica, porém, era sem costura, toda tecida de alto a baixo.
24  Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela para ver a quem caberá—para se cumprir a Escritura: Repartiram entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica lançaram sortes. Assim, pois, o fizeram os soldados. João 19: 23, 24


Veja também O Desejado de Todas as Nações, capítulo 78, “Calvário”, p. 741-757, especialmente as p. 746, 751).

Pense nisto: 
Escolha um personagem dessa história e imagine como ele(a) se sentiu nessa situação.
– Com que frequência Deus usa as pessoas que não O conhecem no cumprimento de Seus objetivos no mundo? Por quê?
– Reflita sobre as muitas profecias que foram cumpridas na vida de Jesus. O que seu cumprimento significa para você?
– Que aprendemos sobre Jesus a partir dessa história?

Aplicação
A partir das histórias bíblicas estudadas nesta semana, procure criar com os membros da classe um quadro com uma descrição verbal de Jesus, conforme indicado abaixo. Tenha à mão uma folha de papel ou um quadro de giz para registrar a reação dos membros da classe.

Algumas sugestões para a descrição verbal de Jesus podem incluir:
História I – Poderoso, operador de milagres, carinhoso
História II – Humilde, servo, amoroso
História III – Oprimido, menosprezado, paciente
História IV – Escarnecido, mal-interpretado, rei
História V – Profetizado, pobre, Salvador

Exponha na entrada da igreja, se possível, ou em algum outro lugar proeminente pelo restante do dia, seu papel ou quadro-de-giz com a descrição verbal, como forma de incentivar a classe e os membros da igreja a refletir mais sobre o Jesus retratado nessas histórias.

Perguntas de aplicação
1. Parece que sempre somos tentados a julgar os outros pela aparência. Como podemos aprender a não fazer isso e tratar as pessoas com respeito, independentemente de sua aparência?
2. Considere a relação de Jesus com o poder. Embora estivesse disposto a ser um servo humilde, Ele foi oprimido, rejeitado e morto, em última instância, pelos poderes políticos e religiosos de Seus dias. Como devemos nos relacionar com as pessoas e os sistemas poderosos de hoje?
3. Quando consideramos todas as profecias do Antigo Testamento que Jesus cumpriu, por que tantas pessoas religiosas de Seus dias não reconheceram Jesus pelo que Ele era? O que isso deve nos dizer sobre nossa compreensão da profecia hoje?
4. A série de histórias consideradas nesta semana inclui exemplos de pessoas que rejeitaram Jesus e foram endurecidas contra Ele. Como acontece isso? Como podemos evitar ser endurecidos contra os apelos de Deus a nós?

Criatividade 
As histórias da vida de Jesus são importantes exemplos práticos de como podemos entrar na vida que Deus nos oferece. Ao pôr em prática esses exemplos em nossas diversas circunstâncias, chegaremos mais perto de Jesus e será mais fácil para nós aceitar as dádivas de esperança e de salvação que Ele oferece. Também seremos capazes de servir e compartilhar com os outros amor e esperança.

Sugestões para atividades individuais:
Jesus foi insultado, escarnecido, julgado injustamente, torturado e, pior ainda, morto de maneira horrível. Tudo isso Ele suportou com o objetivo maior de assegurar nossa salvação, mas também de nos dar um exemplo de paciência, perseverança e longanimidade. Comente alguma ocasião em sua vida em que você experimentou injustiça, humilhação, dor, sofrimento ou outra coisa. Escreva um registro, poema ou outra reflexão sobre sua fé em Deus e o sofrimento de Jesus e como essa fé o ajudou a perseverar, compreender ou esperar em circunstâncias difíceis.

Sugestões para atividades em grupo ou equipe:
Jesus disse que deveríamos seguir o exemplo de Seu trato com os discípulos (cf. Jo 13,15). Planeje realizar uma cerimônia de lava-pés para sua classe de estudo bíblico ou para o culto de adoração a seguir.

Reflita sobre a história do que Jesus fez por Seus discípulos naquela noite. Reconte a história, lendo a Bíblia e O Desejado de Todas as Nações, assistindo a uma encenação filmada sobre esse momento da vida de Jesus, ou encontre outras maneiras de introduzir a história.

Pense em convidar os líderes da comunidade para que visitem sua igreja a fim de lavar os pés deles como parte de seu agradecimento pela contribuição que prestam à sua comunidade (Antecipadamente, será necessário explicar o que significa essa cerimônia).
  





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário