sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Abigail: Senhora das circunstâncias (resumo do estudo nº 05)




Então, ela se levantou, e se inclinou com o rosto em terra, e disse: Eis que a tua serva é criada para lavar os pés aos criados de meu senhor. 1Samuel 25:41

Saber: Comparar o tato e cortesia de Abigail com os insultos estúpidos de Nabal e com os impulsos furiosos de Davi.
Sentir: Que a presença do Espírito Santo alimenta o sentimento de paz, conforto e luz em nosso coração, transbordando em bênçãos aos outros.
Fazer: Interceder sábia e compassivamente na vida de outras pessoas, à medida que Deus provê oportunidade e direção.

Esboço
I. Suavidade e Luz
A. Aquilo que dizemos e nossa maneira de agir revelam o Espírito atuando em nosso coração.
B. Abigail foi não somente cuidadosa e cortês, mas corajosa e equilibrada em suas respostas a Nabal e Davi.

II. Caminho de luz
A. Qual foi a fonte da sabedoria de Abigail?
B. Abigail restituiu a calma e a razão no confronto entre Davi e Nabal.
C. Como Davi respondeu ao conselho de Abigail, mostrando que ele tinha espírito receptivo ao ensino e era suscetível à direção divina?

III. Intercessão
A. A habilidade de aconselhar sabiamente e com discernimento é um instrumento que Deus pode usar para abençoar outros. O que precisamos fazer para nos habilitar a ser usados por Deus como Abigail?
B. Que áreas de nossa vida necessitam ser encaradas com coragem e responsabilidade?
C. Como Deus poderia nos usar para intervir na vida dos outros?

Resumo: 
Abigail, embora esposa de um homem perverso, era cheia do Espírito de Deus. Sábia e humildemente interveio com conselho sensato e impediu o derramamento de sangue, quando Davi estava determinado a se vingar.

 

Motivação
O exemplo de como Abigail lidou com dois homens difíceis ilustra como a beleza interior da personalidade, impregnada da graça e atmosfera do Céu, pode intervir em circunstâncias difíceis e influenciar outros para o bem.


Use o diálogo e atividade de abertura para ajudar os amigos a examinar a dinâmica de casamentos desiguais e como cônjuges guiados por Deus podem se relacionar com seus companheiros.

O casamento de Abigail com Nabal provavelmente tenha sido arranjado, como alguns ainda são em muitas partes do mundo. Embora alguns casamentos arranjados tenham sucesso, outros são simplesmente meios socialmente aprovados para a prática de abuso. Mas até os casamentos que escolhemos por nós mesmos podem se tornar lamentavelmente difíceis, e duas pessoas muito diferentes podem se encontrar sob o mesmo jugo.

Atividade: Ilustre o conceito popular de romance com exemplos de cartões, caixas de bombons e flores. Ou então, peça que os membros da classe comentem como essa noção existe em sua cultura.

Comente: Até que ponto a ideia popular de amor romântico e casamento ilustram o relacionamento entre Nabal e Abigail?

Pense nisto: 
Que princípios espirituais promovem casamentos felizes? O que podem fazer os cônjuges que estão sob jugo desigual para melhorar seu casamento?

Compreensão
Comparar e contrastar os efeitos de palavras tolas e sábias sobre os que os ouvem.


Comentário bíblico

I. Nabal
1 Faleceu Samuel; todos os filhos de Israel se ajuntaram, e o prantearam, e o sepultaram na sua casa, em Ramá. Davi se levantou e desceu ao deserto de Parã.
2  Havia um homem, em Maom, que tinha as suas possessões no Carmelo; homem abastado, tinha três mil ovelhas e mil cabras e estava tosquiando as suas ovelhas no Carmelo.
3  Nabal era o nome deste homem, e Abigail, o de sua mulher; esta era sensata e formosa, porém o homem era duro e maligno em todo o seu trato. Era ele da casa de Calebe.
4  Ouvindo Davi, no deserto, que Nabal tosquiava as suas ovelhas,
5  enviou dez moços e lhes disse: Subi ao Carmelo, ide a Nabal, perguntai-lhe, em meu nome, como está.
6  Direis àquele próspero: Paz seja contigo, e tenha paz a tua casa, e tudo o que possuis tenha paz!
7  Tenho ouvido que tens tosquiadores. Os teus pastores estiveram conosco; nenhum agravo lhes fizemos, e de nenhuma coisa sentiram falta todos os dias que estiveram no Carmelo.
8  Pergunta aos teus moços, e eles to dirão; achem mercê, pois, os meus moços na tua presença, porque viemos em boa hora; dá, pois, a teus servos e a Davi, teu filho, qualquer coisa que tiveres à mão.
9  Chegando, pois, os moços de Davi e tendo falado a Nabal todas essas palavras em nome de Davi, aguardaram.
10  Respondeu Nabal aos moços de Davi e disse: Quem é Davi, e quem é o filho de Jessé? Muitos são, hoje em dia, os servos que fogem ao seu senhor.
11  Tomaria eu, pois, o meu pão, e a minha água, e a carne das minhas reses que degolei para os meus tosquiadores e o daria a homens que eu não sei donde vêm?
12  Então, os moços de Davi puseram-se a caminho, voltaram e, tendo chegado, lhe contaram tudo, segundo todas estas palavras.
13  Pelo que disse Davi aos seus homens: Cada um cinja a sua espada. E cada um cingiu a sua espada, e também Davi, a sua; subiram após Davi uns quatrocentos homens, e duzentos ficaram com a bagagem.
14  Nesse meio tempo, um dentre os moços de Nabal o anunciou a Abigail, mulher deste, dizendo: Davi enviou do deserto mensageiros a saudar a nosso senhor; porém este disparatou com eles.
15  Aqueles homens, porém, nos têm sido muito bons, e nunca fomos agravados por eles e de nenhuma coisa sentimos falta em todos os dias de nosso trato com eles, quando estávamos no campo. 1Sm 25:1-15

Nos tempos bíblicos, a primavera era usualmente a época em que as ovelhas eram tosquiadas. As 3.000 ovelhas de Nabal produziam abundância de lã, muito provavelmente a maior fonte de sua renda. Esse período de sucesso financeiro ocasionava festividades, e Nabal deveria estar de bom humor. Contudo, em resposta à mensagem cortês de congratulações de Davi, e seu pedido de uma doação de alimento, em reconhecimento de sua parte na proteção do rebanho de Nabal durante o inverno, Nabal insolentemente sugeriu que Davi era um inútil que não merecia bondade, muito menos uma recompensa.

Um servo, relatando a Abigail a mensagem de Davi ao seu marido, terminou dizendo que Davi ficaria furioso, que o arraial estaria em perigo imediato e que Nabal era “
um homem tão mau que ninguém [conseguia] conversar com ele” (1Sm 25:17, NVI).

Demonstrou-se que uma boa conversa começa com um bom ouvinte. E no caso de Nabal fica claro que só ele falava e nada do que dizia era bom.

Salomão, filho de Davi, escreveu uma porção considerável sobre os efeitos das palavras perversas.

12 Nas palavras do sábio há favor, mas ao tolo os seus lábios devoram.
13  As primeiras palavras da boca do tolo são estultícia, e as últimas, loucura perversa. Ecles 10:12-13

Ele disse nos versos acima  que no início as palavras do tolo podem ser mera tolice, mas no final são “loucura perversa” (v. 13, NVI). Provérbios 12:18 declara: “Há palavras que ferem como espada” (NVI). Podemos nos desculpar dizendo que nossas palavras descuidadas são “apenas conversa”, mas as palavras imprudentes podem rapidamente se mover numa espiral para uma linguagem rude, insultante e abusiva.

O Novo Testamento é tão forte como o Antigo em condenar as palavras precipitadas. Uma das mais inquietantes linguagens da Bíblia sobre o dano que as palavras podem fazer é encontrada no livro de Tiago. O capítulo 3:6 é parafraseado deste modo: “Pela nossa língua podemos arruinar o mundo, tornar a harmonia em caos, jogar lama sobre a reputação, levantar o mundo inteiro em fumaça e subir na fumaça com ele, fumaça exatamente das profundezas do inferno” (The Message). A menos que estejamos profundamente conscientes de como nossas palavras podem afetar aqueles que nos ouvem e cuidadosamente guardarmos nossa conversa, nossas palavras podem acender um fogo intenso e descontrolado. Basta considerar o fogo que as palavras de Nabal acenderam.

Pense nisto: 
Você conhece alguma pessoa tão insolente e desagradável que ninguém pode falar com ela? Como respondemos a pessoas frequentemente irrazoáveis e de mau gênio?

II. Abigail e Davi
16  De muro em redor nos serviram, tanto de dia como de noite, todos os dias que estivemos com eles apascentando as ovelhas.
17  Agora, pois, considera e vê o que hás de fazer, porque já o mal está, de fato, determinado contra o nosso senhor e contra toda a sua casa; e ele é filho de Belial, e não há quem lhe possa falar.
18  Então, Abigail tomou, a toda pressa, duzentos pães, dois odres de vinho, cinco ovelhas preparadas, cinco medidas de trigo tostado, cem cachos de passas e duzentas pastas de figos, e os pôs sobre jumentos,
19  e disse aos seus moços: Ide adiante de mim, pois vos seguirei de perto. Porém nada disse ela a seu marido Nabal.
20  Enquanto ela, cavalgando um jumento, descia, encoberta pelo monte, Davi e seus homens também desciam, e ela se encontrou com eles.
21  Ora, Davi dissera: Com efeito, de nada me serviu ter guardado tudo quanto este possui no deserto, e de nada sentiu falta de tudo quanto lhe pertence; ele me pagou mal por bem.
22  Faça Deus o que lhe aprouver aos inimigos de Davi, se eu deixar, ao amanhecer, um só do sexo masculino dentre os seus.
23  Vendo, pois, Abigail a Davi, apressou-se, desceu do jumento e prostrou-se sobre o rosto diante de Davi, inclinando-se até à terra.
24  Lançou-se-lhe aos pés e disse: Ah! Senhor meu, caia a culpa sobre mim; permite falar a tua serva contigo e ouve as palavras da tua serva.
25  Não se importe o meu senhor com este homem de Belial, a saber, com Nabal; porque o que significa o seu nome ele é. Nabal é o seu nome, e a loucura está com ele; eu, porém, tua serva, não vi os moços de meu senhor, que enviaste.
26  Agora, pois, meu senhor, tão certo como vive o SENHOR e a tua alma, foste pelo SENHOR impedido de derramar sangue e de vingar-te por tuas próprias mãos. Como Nabal, sejam os teus inimigos e os que procuram fazer mal ao meu senhor.
27  Este é o presente que trouxe a tua serva a meu senhor; seja ele dado aos moços que seguem ao meu senhor.
28  Perdoa a transgressão da tua serva; pois, de fato, o SENHOR te fará casa firme, porque pelejas as batalhas do SENHOR, e não se ache mal em ti por todos os teus dias.
29  Se algum homem se levantar para te perseguir e buscar a tua vida, então, a tua vida será atada no feixe dos que vivem com o SENHOR, teu Deus; porém a vida de teus inimigos, este a arrojará como se a atirasse da cavidade de uma funda.
30  E há de ser que, usando o SENHOR contigo segundo todo o bem que tem dito a teu respeito e te houver estabelecido príncipe sobre Israel,
31  então, meu senhor, não te será por tropeço, nem por pesar ao coração o sangue que, sem causa, vieres a derramar e o te haveres vingado com as tuas próprias mãos; quando o SENHOR te houver feito o bem, lembrar-te-ás da tua serva. 1Sm 25:16-31.)

Abigail imediatamente preparou um banquete para Davi e seus homens e foi se encontrar com o guerreiro e seu bando que, conforme ela fora informada, estariam irados e com sede de vingança.

Quando se encontrou com Davi, prostrou-se diante dele e se dirigiu a ele como se já fosse rei. “
Nada tendo de ostentação ou orgulho, antes cheia da sabedoria e amor de Deus, Abigail revelou a força de sua devoção para com sua casa, e esclareceu a Davi que o procedimento indelicado de seu marido de nenhuma forma fora premeditado contra ele como uma afronta pessoal, mas que tinha simplesmente sido a explosão de uma natureza infeliz e egoísta” (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 666).

A humildade de Abigail é evidente de diversas maneiras. Como esposa de um homem rico, ela poderia ter deixado a dádiva do alimento falar por si mesma ou enviar uma mensagem a Davi por um de seus servos, como Davi havia feito a Nabal. Em lugar disso, ela mesma acompanhou a dádiva. Abigail não tomou o crédito por nenhum conselho sábio de sua parte, mas reconheceu que foi Deus que impediu Davi de se vingar. Ela bondosamente aceitou a culpa pela indignação de Davi e delicadamente sugeriu que Davi deveria estar enfrentando as batalhas de Deus, em vez de procurar vingança para si mesmo.

Davi aceitou a reprovação com louvor a Deus pelo sábio conselho de Abigail. Em lugar de ser impaciente e manter o rancor, permitiu que as palavras calmas e respeitosas de Abigail influenciassem seu coração.

Palavras agradáveis, proferidas com moderação e no tempo certo, são “
doces para a alma e trazem cura para os ossos” (Pv 16:24, NVI). São confiáveis e trazem instrução. São como uma fonte, transbordando com água fresca (Pv 18:4, NVI), “como maçãs de ouro em salvas de prata” (Pv 25:11). E palavras sábias podem afastar a ira, apagando o incêndio que as palavras perversas iniciaram. Quão importante é permitir que o Espírito de Deus influencie nossas palavras, dando-nos coragem para responder ao mal e imbuindo nossas palavras com Sua graciosa sabedoria, vigorosa beleza e doce cura!

Pense nisto: 
Se bem que não tivesse desculpado a tolice de seu esposo, como Abigail assumiu a responsabilidade pela situação? Como seu tato permitiu que Davi evitasse uma desgraça?

Davi poderia ter mantido o ressentimento. Em lugar disso, permitiu que Deus lhe ensinasse uma lição através da amável cortesia de uma mulher. Como esse espírito receptivo ao ensino o habilitou a responder a outras lições que precisava aprender ao longo de sua carreira como líder?

III. Casamentos inadequados
1  Ora, Sarai, mulher de Abrão, não lhe dava filhos; tendo, porém, uma serva egípcia, por nome Agar,
2  disse Sarai a Abrão: Eis que o SENHOR me tem impedido de dar à luz filhos; toma, pois, a minha serva, e assim me edificarei com filhos por meio dela. E Abrão anuiu ao conselho de Sarai.
3  Então, Sarai, mulher de Abrão, tomou a Agar, egípcia, sua serva, e deu-a por mulher a Abrão, seu marido, depois de ter ele habitado por dez anos na terra de Canaã.
4  Ele a possuiu, e ela concebeu. Vendo ela que havia concebido, foi sua senhora por ela desprezada.
5  Disse Sarai a Abrão: Seja sobre ti a afronta que se me faz a mim. Eu te dei a minha serva para a possuíres; ela, porém, vendo que concebeu, desprezou-me. Julgue o SENHOR entre mim e ti.
6  Respondeu Abrão a Sarai: A tua serva está nas tuas mãos, procede segundo melhor te parecer. Sarai humilhou-a, e ela fugiu de sua presença.
7  Tendo-a achado o Anjo do SENHOR junto a uma fonte de água no deserto, junto à fonte no caminho de Sur,
8  disse-lhe: Agar, serva de Sarai, donde vens e para onde vais? Ela respondeu: Fujo da presença de Sarai, minha senhora.
9  Então, lhe disse o Anjo do SENHOR: Volta para a tua senhora e humilha-te sob suas mãos.
10  Disse-lhe mais o Anjo do SENHOR: Multiplicarei sobremodo a tua descendência, de maneira que, por numerosa, não será contada.
11  Disse-lhe ainda o Anjo do SENHOR: Concebeste e darás à luz um filho, a quem chamarás Ismael, porque o SENHOR te acudiu na tua aflição.
12  Ele será, entre os homens, como um jumento selvagem; a sua mão será contra todos, e a mão de todos, contra ele; e habitará fronteiro a todos os seus irmãos.
13  Então, ela invocou o nome do SENHOR, que lhe falava: Tu és Deus que vê; pois disse ela: Não olhei eu neste lugar para aquele que me vê?
14  Por isso, aquele poço se chama Beer-Laai-Roi; está entre Cades e Berede.
15  Agar deu à luz um filho a Abrão; e Abrão, a seu filho que lhe dera Agar, chamou-lhe Ismael.  Gn 16:1-15, 

1  Mulheres, sede vós, igualmente, submissas a vosso próprio marido, para que, se ele ainda não obedece à palavra, seja ganho, sem palavra alguma, por meio do procedimento de sua esposa,
2  ao observar o vosso honesto comportamento cheio de temor.
3  Não seja o adorno da esposa o que é exterior, como frisado de cabelos, adereços de ouro, aparato de vestuário;
4  seja, porém, o homem interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranqüilo, que é de grande valor diante de Deus.
5  Pois foi assim também que a si mesmas se ataviaram, outrora, as santas mulheres que esperavam em Deus, estando submissas a seu próprio marido,
6  como fazia Sara, que obedeceu a Abraão, chamando-lhe senhor, da qual vós vos tornastes filhas, praticando o bem e não temendo perturbação alguma.
7  Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento; e, tendo consideração para com a vossa mulher como parte mais frágil, tratai-a com dignidade, porque sois, juntamente, herdeiros da mesma graça de vida, para que não se interrompam as vossas orações.  1Pe 3:1-7 

21  sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo.
22  As mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor;
23  porque o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, sendo este mesmo o salvador do corpo.
24  Como, porém, a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo submissas ao seu marido.
25  Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela,
26  para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra,
27  para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito.
28  Assim também os maridos devem amar a sua mulher como ao próprio corpo. Quem ama a esposa a si mesmo se ama.  Ef 5:21-28.)

Embora as mulheres com frequência tenham possuído um status de segunda classe em muitas sociedades, as Escrituras têm lições tanto para os homens como para as mulheres sobre o relacionamento do casamento.

Compare a história de Sara, Hagar e Abraão em Gênesis 16:1-15 e a descrição de Pedro de como as mulheres podem lidar com os maridos descrentes, terminando com um comentário sobre o relacionamento entre Sara e Abraão, em 1 Pedro 3:1-7.

Sara respeitou Abraão, chamando-o “senhor”. Contudo, Abraão também respeitou os direitos de Sara como sua esposa e companheira no lar, a ponto de mandar embora Hagar e seu filho, por causa da divisão que estavam causando no lar, embora isso tenha custado a ele muita dor.

Pense nisto: Como esse equilíbrio de poder ilustra a advertência de Paulo em Efésios 5:21-22?: “sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo. As mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor;” Quem é o modelo supremo de tal humildade e zeloso cuidado, e como demonstrou submissão? Como Deus pode usar a beleza interior de um coração santificado para ganhar outros para Si mesmo, incluindo nosso cônjuge?

Aplicação
Observe suas pressuposições culturais, enquanto contempla modelos bíblicos para relacionamentos.

Perguntas para consideração
1. Que exemplos você encontrou nos quais mulheres enfrentaram circunstâncias injustas no trabalho, no abuso doméstico ou quando solicitam justiça ou proteção? Há ainda muitas oportunidades para ajudar as mulheres a melhorar seu status em cada país do mundo. O que pode ser feito em seu próprio lar e comunidade?
2. Frequentemente, tradições culturais podem ditar muitas das injustiças que nos acostumamos a ver. Como podemos aplicar a lente santificadora do exemplo de Cristo em nossas próprias pressuposições acerca dos relacionamentos adequados entre homens e mulheres?

Criatividade
Veja as seguintes ideias para colocar em prática as discussões da classe durante as próximas semanas e meses.

1. Examine a mídia, livros, revistas e outros meios pelos quais transmitimos a meninos e meninas expectativas culturais sobre os relacionamentos adequados entre homens e mulheres. Como podemos influenciar contra os efeitos prejudiciais dessas mensagens em nossos lares, escolas e locais de trabalho?
2. Como você pode demonstrar o equilíbrio da submissão, liderança e terno cuidado em seu casamento?
3. Resuma os princípios de mediação ilustrados pela intercessão de Abigail com Davi. Como esses princípios o ajudam a responder a uma situação difícil que estejam desafiando sua vida?
4. A descrição da influência de Abigail em Patriarcas e Profetas compara sua piedade com o “perfume de uma flor, [que] exalava de seu rosto, de suas palavras e ações, sem que disso ela se apercebesse” (p. 667). Como você poderia rodear a si mesmo e aos outros com a inspiração edificante que vem das flores?




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário