sexta-feira, 18 de junho de 2010

Alimentação no Novo Testamento




Como vimos ontem, a distinção entre alimentos limpos e imundos não começou com a nação judaica. Não obstante, muitos hoje afirmam que, nos tempos do Novo Testamento, a Bíblia removeu essa distinção, e que agora não importa o que as pessoas comem.

No entanto, se você pensar um pouco, esse raciocínio realmente não tem sentido. Afinal, a alimentação tem um papel importante em nossa saúde; portanto, é muito difícil imaginar por que o Novo Testamento não haveria de mostrar preocupação com a alimentação, que é tão importante para o viver saudável.

4. Paulo escreveu a Timóteo falando sobre a restrição a certos alimentos. O que Paulo disse? Isso significa que agora podemos comer carnes impuras?

Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência, que proíbem o casamento e exigem abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos, com ações de graças, pelos fiéis e por quantos conhecem plenamente a verdade; pois tudo que Deus criou é bom, e, recebido com ações de graças, nada é recusável, porque, pela palavra de Deus e pela oração, é santificado. (1Tim 4:1-5)  
 
Neste caso particular, Paulo estava lidando com heresias futuras que proibiriam os cristãos de participar de duas coisas que Deus deu à humanidade na criação: alimentos e casamento. Os alimentos envolvidos são todos aqueles alimentos que Deus criou para o consumo humano. As palavras de Paulo, aqui, não devem ser entendidas como se Deus tivesse criado os alimentos impuros “para serem recebidos, com ações de graças, pelos fiéis e por quantos conhecem plenamente a verdade” (1Tm 4:3). Nesse caso, um rato deveria ser “comido com ação de graças”?


1 Acolhei ao que é débil na fé, não, porém, para discutir opiniões. 2  Um crê que de tudo pode comer, mas o débil come legumes; 3  quem come não despreze o que não come; e o que não come não julgue o que come, porque Deus o acolheu. 4  Quem és tu que julgas o servo alheio? Para o seu  próprio senhor está em pé ou cai; mas estará em pé, porque o Senhor é poderoso para o suster. 5  Um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente. 6  Quem distingue entre dia e dia para o Senhor o faz; e quem come para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e quem não come para o Senhor não come e dá graças a Deus. 7  Porque nenhum de nós vive para si mesmo, nem morre para si. 8  Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor. 9  Foi precisamente para esse fim que Cristo morreu e ressurgiu: para ser Senhor tanto de mortos como de vivos. 10  Tu, porém, por que julgas teu irmão? E tu, por que desprezas o teu? Pois todos compareceremos perante o tribunal de Deus. 11  Como está escrito: Por minha vida, diz o Senhor, diante de mim se dobrará todo joelho, e toda língua dará louvores a Deus. 12  Assim, pois, cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus. 13  Não nos julguemos mais uns aos outros; pelo contrário, tomai o propósito de não pordes tropeço ou escândalo ao vosso irmão. 14  Eu sei e estou persuadido, no Senhor Jesus, de que nenhuma coisa é de si mesma impura, salvo para aquele que assim a considera; para esse é impura. 15  Se, por causa de comida, o teu irmão se entristece, já não andas segundo o amor fraternal. Por causa da tua comida, não faças perecer aquele a favor de quem Cristo morreu. 16  Não seja, pois, vituperado o vosso bem. 17  Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo. 18  Aquele que deste modo serve a Cristo é agradável a Deus e aprovado pelos homens. 19  Assim, pois, seguimos as coisas da paz e também as da edificação de uns para com os outros. 20  Não destruas a obra de Deus por causa da comida. Todas as coisas, na verdade, são limpas, mas é mau para o homem o comer com escândalo. 21  É bom não comer carne, nem beber vinho, nem fazer qualquer outra coisa com que teu irmão venha a tropeçar ou se ofender ou se enfraquecer. 22  A fé que tens, tem-na para ti mesmo perante Deus. Bem-aventurado é aquele que não se condena naquilo que aprova. 23  Mas aquele que tem dúvidas é condenado se comer, porque o que faz não provém de fé; e tudo o que não provém de fé é pecado. (Rom 14);


4 No tocante à comida sacrificada a ídolos, sabemos que o ídolo, de si mesmo, nada é no mundo e que não há senão um só Deus. 5  Porque, ainda que há também alguns que se chamem deuses, quer no céu ou sobre a terra, como há muitos deuses e muitos senhores, 6  todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também, por ele. 7 Entretanto, não há esse conhecimento em todos; porque alguns, por efeito da familiaridade até agora com o ídolo, ainda comem dessas coisas como a ele sacrificadas; e a consciência destes, por ser fraca, vem a contaminar-se. 8  Não é a comida que nos recomendará a Deus, pois nada perderemos, se não comermos, e nada ganharemos, se comermos. 9  Vede, porém, que esta vossa liberdade não venha, de algum modo, a ser tropeço para os fracos. 10  Porque, se alguém te vir a ti, que és dotado de saber, à mesa, em templo de ídolo, não será a consciência do que é fraco induzida a participar de comidas sacrificadas a ídolos? 11  E assim, por causa do teu saber, perece o irmão fraco, pelo qual Cristo morreu. 12  E deste modo, pecando contra os irmãos, golpeando-lhes a consciência fraca, é contra Cristo que pecais. 13  E, por isso, se a comida serve de escândalo a meu irmão, nunca mais comerei carne, para que não venha a escandalizá-lo. (1Co 8:4-13)


25  Comei de tudo o que se vende no mercado, sem nada perguntardes por motivo de consciência; 26  porque do Senhor é a terra e a sua plenitude. 27  Se algum dentre os incrédulos vos convidar, e quiserdes ir, comei de tudo o que for posto diante de vós, sem nada perguntardes por motivo de consciência. 28  Porém, se alguém vos disser: Isto é coisa sacrificada a ídolo, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência; 29  consciência, digo, não a tua propriamente, mas a do outro. Pois por que há de ser julgada a minha liberdade pela consciência alheia? 30  Se eu participo com ações de graças, por que hei de ser vituperado por causa daquilo por que dou graças? 31  Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus. (1Co 10:25-31)


Em suas cartas aos Romanos e aos Coríntios (Rm 14; 1Co 8:4-13; 10:25-28), Paulo se referiu às dúvidas dos cristãos a respeito da prática difundida no mundo gentio de comer a carne oferecida aos ídolos. Primeiramente, os cristãos se perguntavam se o comer dessa comida era um ato de adoração pagã. Os fortes na fé não acreditavam assim e que, portanto, podiam comer de todos os comestíveis oferecidos aos ídolos. Os que não tinham tanta fé usavam só legumes, que geralmente não eram oferecidos aos ídolos. Paulo orientou que ninguém deveria menosprezar os que só comiam legumes nem julgar os que “comem todas as coisas” aceitáveis como alimento.

5. O que há de errado em usar Atos 10 como prova de que o Novo Testamento acabou com a distinção entre alimentos puros e impuros?

a quem se dirigiu, dizendo: Vós bem sabeis que é proibido a um judeu ajuntar-se ou mesmo aproximar-se a alguém de outra raça; mas Deus me demonstrou que a nenhum homem considerasse comum ou imundo; (At 10:28)

Qual é sua condição a respeito de toda essa questão de alimentação? Que melhoras você sabe que deve fazer quanto ao que come ou até na quantidade que come?    



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário