segunda-feira, 9 de novembro de 2009

O cajado de Arão que floresceu






Embora houvessem morrido milhares de pessoas na rebelião provocada por Corá, o Senhor sabia que a questão da liderança sacerdotal ainda precisava ser esclarecida. Mesmo apesar de tudo o que Ele fizera, os juízos poderosos e dolorosos derramados sobre os rebeldes, Deus sabia que o povo ainda estava inquieto. Com razão, Ele poderia ter eliminado todos, mas nunca fora Seu desejo fazer isso. Mesmo depois do que havia acontecido, o Senhor ainda estava disposto a trabalhar com o povo e revelar-lhe Sua graça salvadora.




9. Leia Números 17 e responda às seguintes perguntas:


a. Qual foi a razão para o teste?
b. Como esse teste deveria ser um meio de evitar mais rebelião e consequente condenação?
c. Como a reação do povo revela que, finalmente, eles parecem ter compreendido a mensagem de que só a determinadas pessoas seria permitido ser sacerdotes?

Não havia nenhum meio de negar esse milagre no qual o bordão de Arão florescera e produzira amêndoas. Os israelitas tiveram que admitir que Deus havia operado dentro do tabernáculo um milagre que, de uma vez por todas, designava Arão e seus descendentes como sacerdotes do santuário do Senhor. A tragédia foi que o preço desse reconhecimento custou muito sofrimento. O surpreendente é que o Senhor Se dispunha a fazer ainda mais a fim de Se reconciliar com eles.


Sob nossa perspectiva, é muito fácil condenar e julgar os hebreus. Mas que dizer se nos examinarmos detidamente, individualmente (2Co 3:15)? 


 (2Co 3:15)        Mas até hoje, quando é lido Moisés, o véu está posto sobre o coração deles. 


Por que frequentemente é tão difícil aprendermos as lições que Deus procura nos ensinar? 


Por que, mesmo quando nos são dadas evidências mais que suficientes do amor e da graça de Deus, deixamos de confiar nEle? 


Por que cometemos os mesmos erros repetidas vezes? 


E, mais ainda, por que é importante não buscarmos justificar nossos erros?



Estudo adicional


“Pergunto-me se a rebelião genuína pode ser curada. ... Rebelião e apostasia estão no próprio ar que respiramos. Seremos afetados por ela a menos que, pela fé, lancemos sobre Cristo nosso ser impotente. Se hoje os homens são tão facilmente enganados, como permanecerão fiéis quando Satanás personificar Cristo e operar milagres? Quem resistirá às suas distorções? Declarando ser Cristo quando é só Satanás assumindo a pessoa de Cristo e operando aparentemente as obras de Cristo? Quem impedirá o povo de Deus de submeter-se a falsos cristos? ‘Não se apressem em segui-los’.


“As doutrinas devem ser claramente entendidas. Os homens que forem aceitos para ensinar a verdade devem estar ancorados; então, sua embarcação resistirá à tempestade, porque a âncora os mantém firmes. Os enganos aumentarão, e devemos chamar a rebelião por seu nome certo. Cabe-nos resistir utilizando toda a armadura de Deus” (Comentários de Ellen G. White, SDA Bible Commentary, v. 1, p. 1.114).


Resumo: A rebelião de Corá e seus associados contra Moisés e Arão foi tão profunda que Deus precisou destruí-los e aos seus seguidores por meio de terremoto, fogo e praga. Esse relato deve servir como advertência contra a inveja e o ciúme, como as lâminas de bronze memoriais no altar. Se orássemos por nossos líderes e apreciássemos o que Deus fez por eles e por nós, poderíamos ser poupados dos distúrbios internos que assaltaram o Israel antigo na insurreição de Corá.


Extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/licoes/adultos/2009/frlic742009.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário