quarta-feira, 25 de novembro de 2009

O pecado da ingratidão







Visto que a nação de Edom (os descendentes de Esaú) se recusaram a permitir que Israel passasse através de suas fronteiras, foi necessário rodear a nação. 


(Veja Nm 20:14-21.)  - Enviou Moisés, de Cades, mensageiros ao rei de Edom, a dizer-lhe: Assim diz teu irmão Israel: Bem sabes todo o trabalho que nos tem sobrevindo; como nossos pais desceram ao Egito, e nós no Egito habitamos muito tempo, e como os egípcios nos maltrataram, a nós e a nossos pais; e clamamos ao SENHOR, e ele ouviu a nossa voz, e mandou o Anjo, e nos tirou do Egito. E eis que estamos em Cades, cidade nos confins do teu país. Deixa-nos passar pela tua terra; não o faremos pelo campo, nem pelas vinhas, nem beberemos a água dos poços; iremos pela estrada real; não nos desviaremos para a direita nem para a esquerda, até que passemos pelo teu país. Porém Edom lhe disse: Não passarás por mim, para que não saia eu de espada ao teu encontro. Então, os filhos de Israel lhe disseram: Subiremos pelo caminho trilhado, e, se eu e o meu gado bebermos das tuas águas, pagarei o preço delas; outra coisa não desejo senão passar a pé. Porém ele disse: Não passarás. E saiu-lhe Edom ao encontro, com muita gente e com mão forte. Assim recusou Edom deixar passar a Israel pelo seu país; pelo que Israel se desviou dele. 


Os idumeus ocuparam o território que se estende desde o sul do Mar Morto até o Golfo de Ácaba.



3. A respeito de que os israelitas passaram a se queixar? 


Nm 21:1-5.  -   Ouvindo o cananeu, rei de Arade, que habitava no Neguebe, que Israel vinha pelo caminho de Atarim, pelejou contra Israel e levou alguns deles cativos. Então, Israel fez voto ao SENHOR, dizendo: Se, de fato, entregares este povo nas minhas mãos, destruirei totalmente as suas cidades. Ouviu, pois, o SENHOR a voz de Israel e lhe entregou os cananeus. Os israelitas os destruíram totalmente, a eles e a suas cidades; e aquele lugar se chamou Horma. Então, partiram do monte Hor, pelo caminho do mar Vermelho, a rodear a terra de Edom, porém o povo se tornou impaciente no caminho. E o povo falou contra Deus e contra Moisés: Por que nos fizestes subir do Egito, para que morramos neste deserto, onde não há pão nem água? E a nossa alma tem fastio deste pão vil.


Pense em tudo que lhes aconteceu e tudo pelo que eles passaram. Havia alguma justificação para as queixas?


Por mais que eles achassem que tinham razão para murmurar, obviamente, o Senhor não concordava. Afinal, cada dia de sua viagem eles tinham sido mantidos por um milagre da misericórdia divina. 


Tinham toda a água de que precisavam, mesmo no deserto; 


tinham pão do Céu para comer, pão dos anjos (Sl 78:25); - Comeu cada qual o pão dos anjos; enviou-lhes ele comida a fartar. 


e tinham paz e segurança sob a nuvem de dia e a coluna de fogo à noite. 


Não havia um fraco em todas as suas fileiras. Seus pés não incharam em suas longas jornadas, nem suas vestes envelheceram 


(Dt 8:3, 4; -  Ele te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que tu não conhecias, nem teus pais o conheciam, para te dar a entender que não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que procede da boca do SENHOR viverá o homem. Nunca envelheceu a tua veste sobre ti, nem se inchou o teu pé nestes quarenta anos. 


Sl 105:37).  - Então, fez sair o seu povo, com prata e ouro, e entre as suas tribos não havia um só inválido.


Sem dúvida, eles tiveram suas lutas, seus problemas, seus temores, como todos temos. Mas, aparentemente, concentrando-se nesses problemas, eles esqueceram as bênçãos divinas que tiveram por tanto tempo. 


Realmente, esse pode ter sido seu problema: tão acostumados à misericórdia, à graça e à provisão de Deus, eles achavam tudo muito óbvio. E uma vez que consideramos as coisas óbvias, é muito fácil esquecê-las.


4. Quais são algumas das coisas que você acha óbvias e certas em sua vida? Por que é tolo achar assim?


A única forma de cura para isso é a gratidão diária ao Senhor pelo que Ele nos dá. É por isso que o louvor é tão importante. Deus não precisa de nosso louvor; nós precisamos louvá-Lo tanto quanto pudermos, pois isso serve como lembrança constante de quanto temos que ser gratos a Ele.


Escreva seu próprio salmo de louvor. Ponha tudo o que você tem pelo que ser grato. Imagine se você fosse cantá-lo cada dia. Como isso poderia impedi-lo de cair no pecado da ingratidão e nas perigosas armadilhas que isso pode preparar?





Extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/licoes/adultos/2009/frlic942009.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário