segunda-feira, 12 de abril de 2010

Benefícios do exercício físico – II



Sem dúvida, assim como a fé precisa ser exercitada, nosso corpo também precisa. Antes de começar um programa de exercício, porém, precisamos estar certos de que nossa saúde permitirá fazermos um exercício regular. Se houver alguma restrição de saúde ou inaptidão, é sábio ser orientado por um médico sobre a intensidade apropriada de exercício a ser tentado.


Três pontos precisam ser guardados em mente com qualquer programa de exercício: frequência, intensidade e duração.


1) Frequência. Atualmente, as recomendações para saúde e aptidão favoráveis sugerem que devemos nos exercitar pelo menos seis vezes por semana.


2) Intensidade. A intensidade apropriada de exercício variará de acordo com a idade e condição médica. Com o passar do tempo, se for persistente, você poderá se exercitar cada vez mais. É bom fazer com que o coração trabalhe mais rápido e chegar à transpiração. Você precisa regular seu esforço conforme suas condições. O que funciona para uma pessoa pode não funcionar para outra.


3) Duração. Estima-se que 45 a 90 minutos de exercício por dia são o ideal. Seria benéfico exercitar-se pelo menos por 30 minutos, seis dias por semana. O tempo dos exercícios pode ser dividido em porções. Por exemplo, 10 minutos cada manhã, ao meio-dia e à noite. Deve ser organizado para se adaptar ao seu programa. A caminhada é uma forma excelente e sustentável de exercício.


Existem muitos benefícios comprovados dos exercícios. O exercício regular ajuda no controle do peso. É benéfico para ajudar a reduzir a pressão alta e um suplemento importante para qualquer terapia médica da pressão alta (sob supervisão e direção médicas). Quando o exercício é executado regularmente, existe uma diminuição na incidência da diabetes Tipo 2. Benefícios adicionais para a saúde do coração incluem o fato de que o exercício regular melhora a protetora lipoproteína saudável do colesterol de alta densidade (HDL).


O exercício regular dá uma crescente sensação de bem-estar. Isso acontece em parte por causa de substâncias químicas chamadas de endorfinas, que o corpo produz durante o exercício. O exercício tem sido associado com o retardamento do início do mal de Alzheimer, e geralmente melhora o desempenho mental. Pessoas que se exercitam regularmente têm menos depressão. O exercício tem um papel na prevenção do câncer de mama e de cólon. Os benefícios são muitos e variados.

Leia o Salmo 139:13-15  -  Pois tu formaste o meu interior tu me teceste no seio de minha mãe. Graças te dou, visto que por modo assombrosamente maravilhoso me formaste; as tuas obras são admiráveis, e a minha alma o sabe muito bem; os meus ossos não te foram encobertos, quando no oculto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra. 
Pense em quão incrivelmente somos feitos e que milagre da criação é nossa mera existência. Portanto, por que é tão importante cuidarmos de nosso corpo? Que programa de exercício você pratica, e como, se necessário, você pode melhorar o que está fazendo?



                                    Estudo adicional

Leia Ellen G. White, A Ciência do Bom Viver, p. 59-72: “O Toque de Fé”.


O único modo de crescer na graça é fazer desinteressadamente a obra que Cristo nos ordenou fazer – empenhar-nos, na medida de nossa capacidade, em ajudar e abençoar os que carecem do auxílio que lhes podemos dar. A força se desenvolve pelo exercício; a atividade é a própria condição de vida. Os que procuram manter a vida cristã aceitando passivamente as bênçãos que lhes são oferecidas pelos meios da graça nada fazendo por Cristo, estão simplesmente procurando comer para viver, sem trabalhar. No mundo espiritual, assim como no mundo natural, isso resulta sempre em degeneração e ruína. O homem que se recusasse a servir-se de seus membros, em breve perderia a faculdade de usá-los. Assim o cristão que não exercita as faculdades que Deus lhe deu, não só deixa de crescer em Cristo, como também perde a força que já possuía” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 80, 81).


Perguntas para reflexão 


1. Que outros paralelos você encontra entre exercitar a fé e exercitar o corpo? Onde esses paralelos se interrompem?


2. Alguém que dirigia um carro viu uma mulher fazendo corrida. Ele abriu a janela e gritou: “Você vai morrer, de qualquer jeito!” Embora fosse rude, o homem tinha razão. Tão importante quanto seja o exercício físico, e não importa quão fisicamente aptos nós sejamos, devemos sempre nos lembrar de que, no fim, somos mortais e – a menos que aconteça de estarmos vivos quando Jesus voltar – todos nós iremos morrer. O melhor programa de exercícios do mundo não nos salva da morte. O viver saudável e os exercícios não nos levam à vida eterna. Só a fé em Jesus faz isso. Por que é importante ter sempre em mente essa distinção? 


3. Se possível, veja algumas das descobertas científicas mais recentes que confirmam os benefícios do exercício. O que os estudos ensinam, e como podemos ajudar a igreja como um todo a entender melhor os benefícios do exercício? Como, também, você pode incentivar os membros da igreja a começar a se exercitar mais? 


4. Sem ser crítico de ninguém, faça uma revisão mental em sua igreja. As pessoas parecem estar indo bem nos exercícios, ou parecem precisar de fazer mais? O que você pode fazer para ajudar


Extraído de: http://www.cpb.com.br/htdocs/periodicos/licoes/adultos/2010/frlic322010.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário